You are here
Home > E de Especial

Eleições 2018: as propostas para a cultura em MG

Por Bruno Golgher Quem tem medo de Edmar Bacha, André Lara Resende, Pérsio Arida, Gustavo Franco, Márcio Pochmann, Paulo Guedes? Todos são economistas reconhecidos, “famosos”, que assessoram candidatos à Presidente nas próximas eleições. O rosto deles estampa o noticiário, eles participam de debates, envolvem-se em polêmicas e, com frequência, parecem mais

A vida modo de usar e outras enganações

Por Jacques Fux[1] O encontro e o estranhamento Eu nunca tinha ouvido falar de Georges Perec até fazer uma disciplina eletiva no doutorado em Letras. Estava fazendo um curso sobre ‘Escritas Híbridas’ e parte d’A vida modo de usar caiu em minhas mãos. Não entendi nada. Nadinha de nada. Até achei que

Caçando Capivara

Por Wellington Cançado Praticamente tudo que as sociedades modernas, extensivamente urbanas, constroem, produzem e consomem vem do solo. Minerais, petróleo, madeira e água viabilizam a complexa tectônica do mundo ocidental – ferramentas, objetos, máquinas, veículos, edifícios e cidades são feitos de metais, plásticos, betume, compensados e outros sintéticos. Para que esta simples

A Reaparição do Photomaton

“Ele havia escrito esse livro somente na esperança de que ela lhe desse algum sinal. Escrever um livro, era também, para ele, lançar apelos de farol ou sinais de código morse destinados a certas pessoas cujo paradeiro ele ignorava. Bastava semear seus nomes ao acaso das páginas e esperar que

Sob o jugo do nazismo

Patrick Modiano revive em sua obra alguns dos momentos mais críticos da história da França: a ocupação alemã, a colaboração e a resistência contra o nazismo. Este artigo segue o exercício de memória do Nobel de Literatura, pinçando alguns fatos marcantes daquela época. Quando invadiu a Polônia, em 1o de setembro

Paris: um armário com milhares de esqueletos

Por Vivian Schlesinger "Caminho pelas ruas vazias. Para mim elas continuam do mesmo jeito, mesmo à noite, à hora dos engarrafamentos, quando as pessoas correm na direção das bocas do metrô," confessa o narrador de Dora Bruder (Rocco, 2014), um dos romances mais celebrados de Patrick Modiano, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura

Top