You are here
Home > Edição 60 > Poemas de A. Lutzky

Poemas de A. Lutzky

Por Laura Andrade
Editoria Alexia Teles Duchowny

YENER NEBEKH…
[Transliterado do ídiche]

VER IZ A NAR?
YENER.

VER ZET OYS ALT?
YENER.

VER IZ GESTORBN?
YENER.

YEDER IKH
BAY SIKH
IZ KLUG.

YEDER IKH
BAY SIKH
IZ YUNG.

YEDER IKH
BAY SIKH
LEBT EYBIK…

Pobre do outro…

Quem é um tolo?
O outro.

Quem parece velho?
O outro.

Quem morre?
O outro.

Todo Eu
na sua visão
é esperto.

Todo Eu
na sua visão
é novo.

Todo Eu
na sua visão
vive eternamente…

DER KHEYSHEK IZ GROYS
[Transliterado do ídiche]

HUNGERIK.
VIFL VILSTU ESN?
FULE TEP.

DURSTIK.
VIFL VILSTU TRINKEN?
A FULE FAS.

SHLEFERIK.
VIFL WILSTU SHLOFN?
A GANTSN DOR.

FARBENKT.
VIFL VILSTU LIBN?
ON A SOF…

ITSTER LOMIR ZEN –
VIFL KON MENTSH.

HUNGERIK:
VIFL KONSTU ESN?
A NAS.

DURSTIK:
VIFL KONSTU TRINKEN?
A FLAS.

SHLEFERIK:
VIFL KONSTU SHLOFN?
A NAKHT.

FARBENKT:
VIFL KONSTU LIBN?
A SHO…

OBER DER KHEYSHEK IZ ZEYER GROYS…

A vontade é grande

Faminto.
Quanto queres comer?
Uma panela cheia.

Sedento.
Quanto queres beber?
Um tonel cheio.

Sonolento.
Quanto queres dormir?
Uma geração inteira.

Nostálgico.
Quanto queres amar?
Sem fim…

Agora deixem-me ver –
o quanto um homem pode.

Faminto:
Quanto podes comer?
Uma mordida.

Sedento:
Quanto podes beber?
Uma garrafa.

Sonolento:
Quanto podes dormir?
Uma noite.

Nostálgico:
Quanto podes amar?
Uma hora…

Mas a vontade é muito grande…

Deixe uma resposta

Top