You are here
Home > L de Literatura

A arte em tempos “jenecis”.

Luciana Salles Se existe algum mal em trabalhar cotidianamente com programação cultural, esse talvez resida no excesso de discursos que pousam sobre seus olhos. Um exagero que traz consigo não somente a inviabilidade em assimilar tantos desejos, mas sobretudo a flagrante perspectiva da repetição de formatos e da fartura de adjetivos,

ANDRÉ LÉO: REVOLUÇÃO, DEMOCRACIA E RESISTÊNCIA

Por Giselle Luz e Emília MendesEditoria Ana Caetano André Léo, nome masculino adotado para se fazer ouvir, é o pseudônimo de Victoire Léodile Béra, nascida na comuna de Lusignan, no departamento de Vienne, na França, em 18 de agosto de 1824. Morreu em 20 de maio de 1900, em Paris, com 75 anos. Em

Conceição, Diva

Por Luciana Salles “Minha filha, foi como se eu tivesse desabafado, naquele instante, 77 anos de angústia”. Esta frase eu ouvi de Dona Diva Guimarães, professora, negra, responsável pelo momento mais marcante da Festa Literária de Paraty de 2017, que teve como homenageado o escritor Lima Barreto, carioca de origem pobre

E agora, meu querido amigo Portuga?

Editoria Luciana Salles Minha mediadora de leitura foi minha mãe. Ela não era acadêmica, sequer cursou uma universidade, mas sempre foi uma leitora voraz. Nas poucas horas vagas que tinha estava sempre com um livro nas mãos. Minhas tias eram como ela e lembro bem das trocas que faziam entre si

Bob Dylan, o bardo americano

Tradução de Ana Caetano   (...) here lies bob dylan murdered from behind by trembling esh who after being refused by Lazarus, jumped on him for solitude but was amazed to discover that he was already a streetcar & that was exactly the end of bob dylan he now lies in Mrs. Actually s beauty parlor God rest his soul & his rudeness two brothers & a naked

Entrevista: Makely Ka

Por Luciana Salles CÓDIGO ABERTO Sei que a vida é um código aberto É a mediação de um conflito A morte está cada vez mais perto E cada segundo é infinito Beduíno cruzando um deserto Uma prece no templo dos aflitos Também sei que viver é perigoso Nunca houve uma época segura O perigo também é prazeroso Não se pode viver

Top